Shine Your Light

Posts Tagged ‘Política

Estão querendo calar a voz do Brasil. A tal democracia não é real na prática. Jovens e adolescentes querem gritar, mas todos estão sendo calados pelo Sistema. Sabe a tal liberdade de expressão? Estão tentando fazer com que essa venha fazer jus ao título, mas o que acontece? Sprays de pimenta, armas, chutes, bombas, prisões.

Finalmente estamos presenciando pessoas que vão às ruas lutar por seus direitos, mas infelizmente também vemos outras que julgam. Julgam mas não agem. Querem nos calar, mas quem tem um ideal, luta por isso passando por cima de tudo, porque NÓS somos a voz do Brasil.

Chega de proibir! O que se deve evitar não se evita, mas facilmente enxergam crime no que não existe: cartazes. Isso a tv não mostra! A globo não mostra o desespero das pessoas que estão nas ruas lutando pelo que devem lutar enquanto policiais as agridem. Se uma revolução acontecer, isso não vai ser “televisionado”.


 Por outro lado, acho superficial um grupo de pessoas se reunirem a fim de defenderem suas drogas. Sinceramente, soou como um bando de filhinhos de papai que não podem ser contrariados. Sou a favor dessas manifestações SIM, e a favor das drogas (que de droga não tem nada, pelo menos na maconha) SIM, mas infelizmente um que assisti foi super sem argumentos, sendo que existem infinitos. Mas enfim, a questão é só parabenizá-los por terem tomado a iniciativa. Tava na hora de o Brasil se mover em prol de qualquer coisa que fosse. Tava na hora de o Brasil ter voz. Independente do que peçam, se um determinado grupo é contra ou a favor, vivemos num país que diz ter Liberdade de Expressão, mas isso pouco se vê.

Está na hora de questionarmos os poderes totalitários do governo. Se não nós, então quem? Ficar propondo, idealizando, certamente não nos tirará da inércia, mas quando se luta por algo realmente relevante -dessa vez não foi pela diminuição do preço dos iPads, rs-, talvez algo mude.

Cadê a democracia, Brasil? Cadê o senso? Se nossas ideias são contrárias a de vocês, vocês partem para a covardia? Algo precisa mudar…

Imagens valem mais do que palavras

Anúncios

Ok, já podem desligar o botão da ironia.

Com mais um vídeo lançado na internet, temos agora um manifesto. Não, não é o Manifesto Comunista de Marx e Engels. É, simplesmente, um manifesto “burguesinho” de um jovem qualquer.
Sei que temos reclamado muito de a juventude -a sociedade toda, na verdade- ter se calado diante de fatos políticos, mas mais importante que isso é: se não tem nada bom a acrescentar, cale-se!

Quem não quer um menor preço? É hipocrisia dizer que não. Infelizmente não é tão simples assim, porque, se fosse, já teria sido resolvido. Na minha opinião, esse manifesto (oh, céus! que desrespeito a Marx e a Engels) foi um tanto quanto superficial. A partir do momento em que o Felipe Neto começou a xingar e reclamar de tudo (acho que no primeiro segundo de vídeo), já perdeu qualquer razão que poderia ter. Afinal, esse péssimo  Brasil em que vivemos exige pelo menos um pouco de educação, né? Ai, que papo contraditório!!

Antes de ficar estressado porque o joguinho de video game tá caro, é importante se perguntar o que se faz com o dinheiro que deveria estar indo pro social, pro serviço público… O que as pessoas realmente querem ao colocar nome, cpf e não sei mais o quê? Eles querem celular e iPad mais baratos.. sei lá, coisa bem americanóide.   A educação e a saúde que se fodam, né?

Não dá mesmo pra comparar Brasil com os EUA, e essa coisa de I ♥ NY já deu no saco. Enfim… é muito fácil mesmo diminuir os impostos: emprega lá e desemprega aqui. Claro… por que ninguém pensou nisso antes? Felipe Neto é mesmo um gênio! *palmas*

Agora todo mundo dando uma de militante comunista na frente do computador… ha ha ha. Quando ele tiver a brilhante ideia de propor um “Saúde Justa” , “Educação Justa” , “Segurança Justa” e tantos outros “Justos”, juro que coloco meu CPF lá.

Não entendo muito sobre isso e também não quero ser a reacionária, mas.. ah, foda-se. Boa sorte, Brasil. Caso o manifesto (risos) tenha êxito, favor, trazer uma Nikon D-90 pra mim.

São muitos os motivos que me fizeram escrever a respeito do tema de hoje, mas alguns se sobressaíram.

Durante a aula:

– Quando eu falo “Brasil”, o que isso lembra a vocês?

-Corrupção! – Disse a turma, em coro.

No twitter:

“… só idiota pra falar que ama o Brasil.”

Na boa? Por que vocês falam isso? Por modismo, né? E uma dica: já tá clichê. Não é porque você sempre ouve falar mal do Brasil que tem que sair reproduzindo as mesmas coisas; antes, procure saber melhor do seu país.

Sei que ouvimos, comumente, péssimas notícias sobre o nosso país, mas lamento informar que o peso que a mídia exerce é muito forte, e por isso não é válido levar em consideração tudo o que ela diz. O que ela nos mostra é muito pouco se comparado a tudo de bom que tem no Brasil. Citar os problemas é relativo, pois todo lugar tem seus pontos positivos e negativos (ou você acha que nos Estados Unidos todos vivem felizes para sempre, no paraíso?).

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria, enquanto no Brasil somos todos reconhecidos como hospitaleiros; nos viramos para falar a língua do turista, gesticulamos e não medimos esforços para atender a todos muito bem.

Reclamar da telefonia, a saúde, a higiene e a educação é um grande engodo, visto que, se comparado a outros lugares, está tudo sob controle.
Na Holanda, por exemplo, só existe uma linha telefônica, e se você questionar o serviço está arriscado a ter sua linha temporariamente desconectada.
Na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche num guardanapo ou de lavar as mãos antes de comer (nos EUA isso também acontece).
Também na Europa,  se pedires mesa para não-fumante, os garçons riem de você, pois isso não existe – eles fumam até em elevador.
Em Londres, existe um lugar famosíssimo onde vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal – e há fila na porta.

O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras DST’s – e vem sendo o exemplo mundial.
“Metade dos eleitores não tem o 1º grau completo.” Bom, das crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos, 97,3% estão estudando. Já é um progresso…

Enfim, claro que o Brasil não é País de Encantos Mil, mas apesar das mazelas, não se pode desmerecer o País Tropical. Outra coisa: você continua achando que tudo na Europa é perfeito? ……..
Pare um pouco de reclamar de onde você mora. Nenhum lugar é perfeito, e, mesmo assim, é ridículo falar mal do lugar onde você nasceu. Honre-o, apesar dos pesares.

 

Os jovens de antigamente, vistos como rebeldes, exerciam um papel fundamental na política: transformação. Iam às ruas e reivindicavam contra a ditadura. Jovens de hoje, lastimavelmente, apresentam um grande desinteresse político. Esse grupo social, ao rever tal situação, conseguiria despertar o sentimento de necessidade de promover mudanças e de propor soluções para os problemas sociais?

Diferentemente do que se presencia, os jovens deveriam participar mais dos assuntos políticos, cobrando os direitos aos políticos eleitos. Infelizmente, a juventude atual visa a outros interesses, priorizando seus bens e negligenciando, assim, a existência política. O motivo disso tudo vem, principalmente, de tanto presenciarem escândalos e infortúnios por parte de quem deveria dar exemplo. Dessa forma, jovens perdem a capacidade de indignação (+ ação!)

Apesar de ser sabido em todo o mundo o péssimo engajamento de jovens com a política, é indiscutível que há, em sua minoria, jovens que se opõem a essas posições, lutando pelo que se deseja e evidenciando suas forças de vontade, Então, não há, de fato, uma total alienação política, mas sim um menor envolvimento do que acontece em nossos meios.

A rebeldia dos jovens, que antes era tão mal vista pela sociedade, não possuindo a mesma força devido à descrença da própria juventude, tornou-se abafada por esse posicionamento preconceituoso. Por isso, hoje, a expressão política é vista em menor escala.

“Eu vejo a vida melhor no futuro. Eu vejo isso por cima de um muro de hipocrisia, que insiste em nos rodear.”

– Os jovens sempre criticaram a loucura dos adultos. Independentemente dos excessos cometidos pelo movimento hippie e pela contracultura, eles representaram a reação da juventude contra os líderes sociais que queriam enfiar goela abaixo da população suas insanidades. Mas onde estão os jovens idealistas? Os que lutam pelos seus direitos? Os “rebeldes” que acusam as aberrações do sistema social? Pela primeira vez foram calados. O veneno do sistema foi tão penetrante e eficiente na era digital que os entorpeceu. Como dependentes, eles o querem em doses cada vez maiores.

O Semeador de Ideias



Por falácia, sabemos como é o Ensino Público no Brasil: desorganizado, com professores desmotivados por causa da baixa remuneração, alunos desinteressados, péssima qualidade, não-investimento do governo, entre outras coisas… Talvez possa-se afirmar tais fatos por ninguém saber de casos assim: “filhos de políticos estudam em colégios públicos.”

Mas… de quem é a culpa do fracasso no Ensino Público? Seria uma culpa total do governo?

A sociedade tem que tomar pra si a responsabilidade de reivindicar ao Estado que a educação dada a seus filhos seja de qualidade, e não aceitar se não for (O comodismo também é um dos principais fatores para a decadência do Ensino).
Quando deram fim nas repetências, a obrigação dos pais era de ir reclamar. Se seus filhos não têm capacidade de avançar, por que estão diplomando analfabetos? Mas, por eles, seu único dever é matriculá-los numa escola…

Qual o estímulo que recebe uma criança que passa a manhã inteira trabalhando e ainda tem que ir para o colégio à tarde? Realmente, nenhum. Esse aluno vai estar mais preocupado em ir pro colégio para receber sua comida do que com os seus estudos.

Se os pais direcionassem os filhos, e esses mostrassem interesse pelos estudos, será que os professores, mesmo mal pagos, não se sentiriam mais incentivados a dar boas aulas? Mais cedo ou mais tarde, isso acabaria num ciclo, e o governo talvez mexesse um dedo a mais no salário de seus empregados.

Não querendo isentar o Governo disso tudo -claro que não-, mas afinal, deve-se educar jovens analfabetos ou a sociedade ignorante?

Governo inerte. Sociedade acomodada. Menores esquecidos e abandonados.
Suas brincadeiras infantis tornam-se trabalho. Trabalho escravo, trabalho sexual, trabalho paterno…
O que a mídia divulga? O que se vê por trás das câmeras? O que se vê além de um Jornal Nacional? O que se sabe, de fato, sobre o próprio país? Pior cego é o que não quer ver…

Enquanto os flashes focam o futebol ou a moda e você os acompanha, a cidadania fica esquecida. Enquanto os flashes miram uma casa que desabou, uns continuam a chorar porque nunca tiveram uma… e esses não são ajudados. Por que tanta discrepância? Não somos todos humanos? Não merecemos todos uma casa?

Um país que tanto fala em combate a fome, mas proibi um morador de rua de entrar em locais públicos (digamos assim) para tentar conseguir a ajuda de uma boa alma, já que o governo não o faz.

Frio, fome, sede, sem-teto, destruição, sofrimento, miséria… mas calma que no final do ano tem o Fome-Zero… o amor deveria inundar o coração das pessoas em todo o tempo.

Se daqui a pouco um desses menores sem oportunidade alguma de sobrevivência sacam uma arma pra você, ele perde toda a razão que um dia nunca teve. Esse é o país que tenta combater a violência.

Acima de qualquer questão política ou social, CADÊ O AMOR?

O que se deve avaliar quando quer aprovar ou não um estudante? Sua capacidade mental ou sua raça?

Bom, com as cotas raciais o que se dá a entender é que os negros são inferiores aos brancos. Como eles querem acabar com o preconceito se eles mesmos levantam o maior exemplo disso?
Talvez, ao avaliar a escolaridade precária, seria até um pouco mais válido. Entretanto, nem com essas Cotas eu concordo igualmente. O governo tá usando a Cota como um “tapa-buraco”, no furo que tem o ensino público. Ao invés de aprovar um aluno menos capacitado que outro, poderiam investir mais no ensino público, pra que ninguém precisasse de cotas… é, vai falar isso pra eles, rs.

E quanto a lei que diz que TODOS SOMOS IGUAIS PERANTE A LEI?! O que ela significa agora? NADA!  Essa acepção de pessoas por raça não permite que a lei se faça real na prática. Se fôssemos iguais, negro não teria “exclusividade”. E os brancos, cadê a cota deles?

Os negros não são menos inteligente que os brancos, nem os brancos menos inteligente que os negros. Se parássemos pra avaliar a cota Racial, o branco, no mínimo, estaria sendo vítima de preconceitos, pois não estaria tendo uma oportunidade extra. Mas o que acontece nesse Brasil de encantos mil? Nada com o branco é preconceito! E eles que estão certos. A minha tese é que o preconceito está na cabeça de quem quer.

O branco não vai sair reclamando se o chamarem de “Branquelo”, mas se alguém chamar um negro de “Negão”, ele vai querer seus direitos.. sei lá quais são. Não é a tua cor? Então por que é preconceito? Os negros são os próprios preconceituosos, e por isso que agora estão (estamos) sendo desvalorizados com essa imposição de cotas, que, implicitamente, nos expõem inferiores.