Shine Your Light

Posts Tagged ‘Hipocrisia

A princípio, quando se prende um indíviduo, o intuito é reeducá-lo para mandá-lo de volta à sociedade. Infelizmente, não é isso o que presenciamos. Todos somos iguais perante a lei. Sim, somos, mas quando alguém do Sistema faz uma besteira ele vai se tornar diferente, não é mesmo, sociedade justa? Parafraseando George Orwell, uns são mais iguais que outros. Diferente do que se espera, os carcerários apanham e muitas vezes não têm a possibilidade de se reajustarem aqui fora. Não que eles sejam inocentes ou merecedores de dó, mas são merecedores de justiça. Não pelo ato que cometeram, mas por serem humanos. Será que se tudo fosse feito como deveria as prisões estariam assim? Espancá-los, deixá-los de lado e depois querer mandar ‘embora’ só vai causar revolta. Educar, mandar trabalhar, contratar psicólogos ou outros do gênero custa muito, né? Nossa segurança também custa!

A “justiça” também é falha na organização dos presos nas penitenciárias. Há uma enorme discrepância entre uma pessoa que mata por maldade e outra que rouba para sobreviver. Tenho de concordar que em ambos os casos a justiça deve ser aplicada, mas não julgá-los iguais diante de um crime. Igualando-os, percebe-se que não os pune nem recupera o infrator, potencializando suas condutas criminosas, já que não diferem suas periculosidades.

Abandoná-los e negligenciar seus direitos como cidadãos, apenas causa a impressão de que eles são marginalizados, não que eles foram reeducados. O encerramento do regime semi-aberto e a aplicação de penas alternativas são possíveis soluções para o sistema penitenciário, contando também com um interesse maior do governo.

“Eu sou a voz que você nunca ouviu. Mamãe, o beijo que nunca te traiu. Eu sou e quero ser como você. Serei seu maior presente… me deixa nascer!!”

Como tudo nesse mundo, jogar bebês em latas de lixo virou moda. Algo que comove qualquer um, por exemplo, a mim quando assisti ao Profissão Repórter.
Eu tinha um pensamento muito forte sobre isso. Jogou fora? Pena de morte. Mas, sabe… não é tão simples assim. Ninguém faz isso por pura maldade. Como diria Caetano Veloso, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.  Só pra deixar MUITO claro, não sou a favor dessa atrocidade em circunstância alguma.

É fácil demais julgar uma mulher por ter abandonado seu filho, mas é muito difícil pegá-lo e criá-lo, né? Pra mim, dá no mesmo… se você vê uma criança abandonada e não adota, você está sendo tão “criminosa” quanto a que jogou. Talvez você pense “não tenho condições”. É… talvez seja esse o mesmo motivo da outra. Quantas vezes não agimos por impulso e depois nos arrependemos? Imagina como não deve ser querer seu filho de volta e não poder tê-lo por um ato errado cometido anteriormente? A justiça é assim.. justa com quem quer. A mãe pode ter errado uma vez, mas ela também pode se arrepender.

Acho uma hipocrisia quando a sociedade se choca diante de uma criança abandonada mas não se importa quando milhares de embriões e fetos são jogados no lixo semanalmente por uma verdadeira indústria do aborto. Qual é a diferença? Em ambos os casos se trata de crianças jogadas fora. Em ambos os casos se trata de coisas absurdas e inaceitáveis.

Mais uma vez, não acho justo uma mãe jogar seu filho numa lata de lixo, mas eu quis comparar com o aborto pra ver se as pessoas param com essa mania de sensacionalismo.

Ok, já podem desligar o botão da ironia.

Com mais um vídeo lançado na internet, temos agora um manifesto. Não, não é o Manifesto Comunista de Marx e Engels. É, simplesmente, um manifesto “burguesinho” de um jovem qualquer.
Sei que temos reclamado muito de a juventude -a sociedade toda, na verdade- ter se calado diante de fatos políticos, mas mais importante que isso é: se não tem nada bom a acrescentar, cale-se!

Quem não quer um menor preço? É hipocrisia dizer que não. Infelizmente não é tão simples assim, porque, se fosse, já teria sido resolvido. Na minha opinião, esse manifesto (oh, céus! que desrespeito a Marx e a Engels) foi um tanto quanto superficial. A partir do momento em que o Felipe Neto começou a xingar e reclamar de tudo (acho que no primeiro segundo de vídeo), já perdeu qualquer razão que poderia ter. Afinal, esse péssimo  Brasil em que vivemos exige pelo menos um pouco de educação, né? Ai, que papo contraditório!!

Antes de ficar estressado porque o joguinho de video game tá caro, é importante se perguntar o que se faz com o dinheiro que deveria estar indo pro social, pro serviço público… O que as pessoas realmente querem ao colocar nome, cpf e não sei mais o quê? Eles querem celular e iPad mais baratos.. sei lá, coisa bem americanóide.   A educação e a saúde que se fodam, né?

Não dá mesmo pra comparar Brasil com os EUA, e essa coisa de I ♥ NY já deu no saco. Enfim… é muito fácil mesmo diminuir os impostos: emprega lá e desemprega aqui. Claro… por que ninguém pensou nisso antes? Felipe Neto é mesmo um gênio! *palmas*

Agora todo mundo dando uma de militante comunista na frente do computador… ha ha ha. Quando ele tiver a brilhante ideia de propor um “Saúde Justa” , “Educação Justa” , “Segurança Justa” e tantos outros “Justos”, juro que coloco meu CPF lá.

Não entendo muito sobre isso e também não quero ser a reacionária, mas.. ah, foda-se. Boa sorte, Brasil. Caso o manifesto (risos) tenha êxito, favor, trazer uma Nikon D-90 pra mim.

Tendo visto diversos posts sobre maldade com animais e a indignação das pessoas, constato quão hipócritas são. O que me revolta, na verdade, é que elas querem ser defensoras dos animais mas agem de forma contraditória.

O que questiono é: se você ama uns, por que come outros? Por que você dá importância a um cachorro ou gato mas se alimenta de um boi? Ainda querem reclamar que na China comem cachorros… é questão de cultura, se for pensar por esse lado.
Há aqueles que dizem: não dá pra viver sem carne. Se você pensa desse jeito, eu lamento, mas antes disso peço para que pare com a hipócrita compaixão por animais. “Oh, as pessoas são cruéis. Fazem touradas, vestem roupas de tecido animal”… e você, que os come?

Pior é quando falam: ‘não vai fazer diferença se eu parar de comer; vão continuar matando’. Bom, pela lógica do Just in time não seria bem assim. Lógico que a matança não acabaria de imediato, mas quanto menos pedidos, menos morte. Ainda que um animal fosse poupado de tal maldade, já seria um avanço. E só para constar: um vegetariano salva 96 bovinos por ano. E se fosse para você matar e depois comer, você mataria? Se não, por que pede para que os outros o façam?

Não estou a fim de fazer discurso apelativo, pois cada um tem a sua escolha, mas acho que seria tudo melhor se cada um se colocasse no lugar dos outros, não inferiozando uns por não serem domésticos.

Só tenho a dizer:
Os animais são meus amigos. Eu não como meus amigos…

Clique na imagem para ampliá-la.