Shine Your Light

Posts Tagged ‘Atualidade

A questão não é se BBB é uma porcaria influenciadora da massa não-pensante ou não. A televisão é. Vejo tanta reclamação pelas redes sociais alheias mas, se prestarmos atenção, são aqueles mesmos que fazem comentário sobre novelas. O que o sujo quer falar do mal lavado? BBB é tão diferente assim de qualquer outro programa televisivo? Será que os que tanto reclamam de BBB estão preocupados com coisas mais relevantes ou falam isso só pra aparecer e pagar de intelectual?

“Nossa, que futilidade. Vamos nos preocupar com outras coisasl?” disse a pessoa que odeia livro e acompanha a novela da 15h, das 18h, das 19h, das 21h, das 23h……….
É indiscutível que haja coisas a mais com o que se preocupar, mas será que se preocupam? Dentre tantos problemas que vivenciamos, BBB é o menor deles!

Infelizmente, dos programas de televisão, Big Brother Brasil é o mais apelativo. As pessoas sorteadas (risos) são justamente aquelas que vão dar ibope, aquelas que fazem parte de uma geração modista e que vão prender a atenção dos telespectadores.  E como prendem!

Essa é a famosa padronização imposta de cima para baixo. Enquanto houver a MASSA alienada, haverá maiores tentando manipular. A televisão massifica qualquer elemento pensante pra te induzir a acreditar que tudo o que foi dito ali é verdade, sem modificação para mais ou menos. Isso solidifica comportamentos “revolucionários”, então, quem vai questionar? Como já dizia Renato Russo, Até há pouco podíamos mudar o mundo; quem roubou nossa coragem?

Mais uma vez, o problema específico não é UM programa, mas OS programas, que pelo nome já se entregam. Do que adiantar ter um “controle” se já tá tudo programado? Só não vem chamar os participantes de HERÓIS, porque minha concepção de HERÓI não são pessoas de classe média sofrendo na banheira de hidromassagem lutando pra ganhar 1 milhão de reais.

Anúncios

Hey, mãe! Eu tenho uma guitarra elétrica. Durante muito tempo isso foi tudo que eu queria ter. Mas, hey, mãe… alguma coisa ficou pra trás; antigamente eu sabia exatamente o que fazer


Bendita internet! Ela, que passou por momentos bem contrastantes. Ora prejudicial, ora benéfica. Diversos programas de tv (sem querer manipular, claro que não) falavam ou ainda falam, de modo negativo, sobre a juventude e a internet. Não sei em que mundo eles vivem, mas é bem explícita a importância da internet na atual sociedade.

Acredito que a maior parte da população brasileira tenha acesso à internet, e para um estudante, ter um computador significa ter milhares de informações para deixar seus trabalhos mais completos. Além de que, pela internet, até os mais alienados acabam se conectando mais às notícias, seja pelo google, seja pelo wikipedia, ou até mesmo pelos “TT’s” do twitter.

Não só no quesito de estudos, mas também na comunicação, a internet é bastante útil. Há até aqueles que vivem soltando “maldita inclusão digital”, mas que de maldita não tem nada. Matar a saudade de amigos, ver familiares ou conversar de modo prático e de baixo custo era mesmo o que precisávamos.

Uma reação a rápida ascensão das novas tecnologias são as crianças, que, a partir de 3 anos (falo pelas minhas irmãs), já têm seus computadores e seus vícios. Com  tanta facilidade nesse início de vida, é nítido que elas mostram maior interesse pelas coisas da tendência, pela leitura, por querer aprender fazer contas de matemática mais rápido por causa dos jogos online etc.

E o mais atual caso, ou nem tanto, são as Revoltas Árabes. Revoluções combinadas a partir de redes sociais: quem imaginava?

O que preocupa grande parte da população (nossos queridos responsáveis) é o quanto esse vício pode prejudicar a sociabilidade da juventude fora da internet. Por essas e outras (que outras?), especialistas não se mostram com expectativas para o assunto, receosos quanto aos efeitos psicológicos que isso tudo pode gerar.

Mas fala sério, quem aqui ainda conseguiria viver sem um Google da vida?

Estão querendo calar a voz do Brasil. A tal democracia não é real na prática. Jovens e adolescentes querem gritar, mas todos estão sendo calados pelo Sistema. Sabe a tal liberdade de expressão? Estão tentando fazer com que essa venha fazer jus ao título, mas o que acontece? Sprays de pimenta, armas, chutes, bombas, prisões.

Finalmente estamos presenciando pessoas que vão às ruas lutar por seus direitos, mas infelizmente também vemos outras que julgam. Julgam mas não agem. Querem nos calar, mas quem tem um ideal, luta por isso passando por cima de tudo, porque NÓS somos a voz do Brasil.

Chega de proibir! O que se deve evitar não se evita, mas facilmente enxergam crime no que não existe: cartazes. Isso a tv não mostra! A globo não mostra o desespero das pessoas que estão nas ruas lutando pelo que devem lutar enquanto policiais as agridem. Se uma revolução acontecer, isso não vai ser “televisionado”.


 Por outro lado, acho superficial um grupo de pessoas se reunirem a fim de defenderem suas drogas. Sinceramente, soou como um bando de filhinhos de papai que não podem ser contrariados. Sou a favor dessas manifestações SIM, e a favor das drogas (que de droga não tem nada, pelo menos na maconha) SIM, mas infelizmente um que assisti foi super sem argumentos, sendo que existem infinitos. Mas enfim, a questão é só parabenizá-los por terem tomado a iniciativa. Tava na hora de o Brasil se mover em prol de qualquer coisa que fosse. Tava na hora de o Brasil ter voz. Independente do que peçam, se um determinado grupo é contra ou a favor, vivemos num país que diz ter Liberdade de Expressão, mas isso pouco se vê.

Está na hora de questionarmos os poderes totalitários do governo. Se não nós, então quem? Ficar propondo, idealizando, certamente não nos tirará da inércia, mas quando se luta por algo realmente relevante -dessa vez não foi pela diminuição do preço dos iPads, rs-, talvez algo mude.

Cadê a democracia, Brasil? Cadê o senso? Se nossas ideias são contrárias a de vocês, vocês partem para a covardia? Algo precisa mudar…

Imagens valem mais do que palavras

… que eu tenho um violão e nós vamos cantar…
… que eu tenho uma razão pra você não chorar…
… que eu tenho a impressão que o samba vem aí…

A urbanização está muito acelerada, trazendo consigo um grande fluxo de pessoas para as áreas urbanas e, assim, contribuindo para um crescimento desordenado e desorganizado das cidades.

Cercados de violência, nós, coagidos, exigimos que algo seja feito. Como quase tudo, pode-se relacionar tal problema também ao Sistema. Entretanto,  o índice de violência em relação a competência do poder público torna-se um despropósito, deixando-nos apenas na utopia espera de algo. É meio contraditório reclamar de tantos roubos por aí, já que o destino das críticas também é a um grupo que, de certa forma, está envolvido com corrupção.

“Miséria, fome e destruição. Abandono da população. Desigualdade e corrupção assolando a nação…”

É fácil demais fazer as UPP’s, até porque depois o perigo fica nos asfalto, né? Concordo que foi um primeiro passo, já que só planejando não aconteceria nada, mas poderiam então fortalecer a segurança aqui em baixo. A questão não é resolver os problemas das favelas, mas resolver problemas de uma cidade inteira. Infelizmente esse processo não é tão simples e não veremos, por exemplo, amanhã. Mas seria ideal começar logo, porque ficar empurrando com a barriga é que não vai dar certo. Eu acredito no utópico. Ficar pensando no “não vai dar certo”, realmente não vai dar. Mas ao tentar, no máximo vai continuar na mesma, mas aí poderemos falar “tentaram”.

…quem passa, nem liga; já vai trabalhar. E você, minha amiga, já pode chorar…

 

Vamos pedir pela segurança ao invés que pedir iPad barato.

“Eu sou a voz que você nunca ouviu. Mamãe, o beijo que nunca te traiu. Eu sou e quero ser como você. Serei seu maior presente… me deixa nascer!!”

Como tudo nesse mundo, jogar bebês em latas de lixo virou moda. Algo que comove qualquer um, por exemplo, a mim quando assisti ao Profissão Repórter.
Eu tinha um pensamento muito forte sobre isso. Jogou fora? Pena de morte. Mas, sabe… não é tão simples assim. Ninguém faz isso por pura maldade. Como diria Caetano Veloso, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.  Só pra deixar MUITO claro, não sou a favor dessa atrocidade em circunstância alguma.

É fácil demais julgar uma mulher por ter abandonado seu filho, mas é muito difícil pegá-lo e criá-lo, né? Pra mim, dá no mesmo… se você vê uma criança abandonada e não adota, você está sendo tão “criminosa” quanto a que jogou. Talvez você pense “não tenho condições”. É… talvez seja esse o mesmo motivo da outra. Quantas vezes não agimos por impulso e depois nos arrependemos? Imagina como não deve ser querer seu filho de volta e não poder tê-lo por um ato errado cometido anteriormente? A justiça é assim.. justa com quem quer. A mãe pode ter errado uma vez, mas ela também pode se arrepender.

Acho uma hipocrisia quando a sociedade se choca diante de uma criança abandonada mas não se importa quando milhares de embriões e fetos são jogados no lixo semanalmente por uma verdadeira indústria do aborto. Qual é a diferença? Em ambos os casos se trata de crianças jogadas fora. Em ambos os casos se trata de coisas absurdas e inaceitáveis.

Mais uma vez, não acho justo uma mãe jogar seu filho numa lata de lixo, mas eu quis comparar com o aborto pra ver se as pessoas param com essa mania de sensacionalismo.

Onde está o amor? Você é capaz de responder essa pergunta?

Todos vivem se perguntando “Onde está o amor?”, mas será que esses mesmos têm amor para distribuir e questioná-lo?

Embora muitos venham cometendo crimes absurdos que nos fazem duvidar do amor, ainda há esperança. Alguns ainda querem questionar sobre Deus, mas nesse caso eu não vou entrar pois acho que é apenas uma fuga para aqueles que não têm argumentos.

Neste último sábado, meu colégio realizou um evento Semana de Conscientização Social  em que todas as turmas de todas as unidades paravam para ajudar pessoas necessitadas, em orfanatos, asilos ou quaisquer outros lares.

Arrecadamos muitas doações -comidas, brinquedos, roupas…- para levarmos aos necessitados. Nos surpreendemos com tudo o que conseguimos. Uma quantidade significativa. Além disso, tiramos a nossa manhã para dar atenção a cada um deles, e, com certeza, o sorriso de cada um ali foi recompensa.

Essas ações parecem piegas nos dias de hoje, mas são essas ações que fazem a diferença. E mesmo que nós tivéssemos pensado que o nosso pouco não ia ajudar, vimos que superamos MUITO as nossas expectativas. É lástimável que as pessoas não façam mais isso. Ou desacreditam no resultado, ou não têm tempo, ou não querem… e ainda se perguntam “onde está o amor?”
Eu sei onde está o amor. O amor continua intacto dentro de você, mas você usa se quiser. É questão de boa vontade, é questão de ação, porque as palavras nem sempre mudam muita coisa. Quando pararmos de prometer e começarmos a agir, aí sim veremos resultados.

Nessa terra de gigantes
Que trocam vidas por diamantes
A juventude é uma banda
Numa propaganda de refrigerantes

Clique na imagem para ampliá-la!

 

 

– Tio, dá um trocado pra eu me alimentar?

É com essa petição que muitos são enganados. Infelizmente a boa vontade que temos nem sempre pode ser representada na prática; não por nós mesmos, mas por quem pede.
De jovens a velhos, cigarros e outras drogas têm tomado, quase que literalmente, a cabeça de muitos. Tornou-se a coisa mais normal do mundo encontrar crianças no semáforo, enquanto deveriam estar na escola ou brincando.

A sociedade, tomada pelo sentimentalismo, sente-se pressionada a ajudá-los – com dinheiro-. Essa, tomada também pelo comodismo, acha que é melhor entregar logo a esmola do que oferecer um lanche. Parte até pensa “antes pedindo do que roubando”; sim, claro… mas antes você alimentando-o do que arriscando-o a fazer outras coisas. É triste ter de duvidar das crianças ou jovens, porém é essa a nossa realidade. Antigamente, um prato de comida realmente bastava, mas hoje eles querem mais e mais e mais… se eles não têm dinheiro, o que pode mantê-los mais saciados? Drogas (não sou a favor da criminalização dessas, porém não é por isso que vou incentivar seu uso)!

Mas afinal, é só hoje… o que custa?

(…) No dia seguinte…

– Tio, dá um trocado pra eu me alimentar?